E, então você me pergunta: como sei se estou sendo honesto comigo?

As duas maiores questões que certamente podem estar te impedindo de atingir seus objetivos são:

1. Desalinhamento entre ações e metas

A desconexão entre suas ações e suas metas não apenas te impede de atingir seus objetivos, mas pode também te levar a desperdiçar seu precioso tempo e esforço, tentando atingir algo que de maneira alguma você poderia dar menos importância. A desconexão pode ser percebida em duas formas:

Atitudes certas em relação ao objetivo errado

Você já se pegou criando um objetivo baseado no que os outros julgam ser importante, mas que no final das contas é o oposto daquilo que você acredita e valoriza de verdade?

Se a resposta for sim, mesmo com todas as ações corretas, você dificilmente será bem sucedido. Isso só irá resultar em um conflito entre o que você realmente quer fazer, versus o que você pensa que tem que fazer – esse conflito acabará gerando desmotivação e irá colocá-lo em um ciclo de procrastinação.

Se suas metas são encaradas como “tenho ou devo fazer” – ao invés de “quero fazer” – isso já é um grande sinal de alerta.

Ações erradas em relação a meta certa

Quando atribuirmos ações para determinadas situações, podemos estar sendo influenciados por uma série de fatores que precisamos ficar atentos:

– Talvez você não tenha informações suficientes para optar por aquilo que é certo

– Talvez você tenha medo das mudanças que essas novas ações poderiam resultar; ou então, pode ser que você não tenha confiança o suficiente para tomar certas atitudes.

Muitas vezes, mesmo que inconscientemente, nós acabamos priorizando pelas ações fáceis mas que não irão nos ajudar a atingir nossas metas.

we (2)

2. Falta de força de vontade para alcançar metas especificas

Isso talvez seja conclusão dolorosa (e às vezes assustadora), mas se você se vê incapaz de seguir na direção da sua meta, é bem possível que a sua vontade de alcançá-la não seja suficiente para te motivá-lo a agir!

Estamos cansados de ler sobre pessoas que foram bem sucedidas ao desafiarem as probabilidades para atingir os seus sonhos, e foi pelo fato de se manterem persistentes e motivadas durante todo o processo, que conseguiram chegar até o final.

“Você nunca terá o suficiente daquilo que você não quer de verdade” (Eric Hoffe). Em outras palavras, até você reconhecer quais são os seus reais desejos, você continuará percorrendo caminhos duvidosos, sem que encontre qualquer tipo de recompensa – nada será gratificante o suficiente.

Então, como saber se você realmente está seguindo na direção dos seus verdadeiros objetivos? Se você se identificar com alguns dos pontos abaixo, o ideal é que você as reveja:

PSX_20150915_165131

Quando uma oportunidade para “cortar caminho” aparece, e você agarra

Se você realmente quer aprender uma nova língua, por exemplo, você aceita todos os desafios e investe no que for necessário, mesmo que isso demore, para que mais tarde, você usufrua dos benefícios, ao invés de procurar atalhos e soluções imediatas, como aprender meia dúzia de palavras que você acredite ser suficiente.

Quando as coisas ficam mais difíceis e exigem mais esforço, você desiste

Por exemplo: se sua meta é aprender mais sobre como ter seu próprio negócio, mas você não faz nenhum esforço para procurar saber mais sobre esse assunto, como ler livros a respeito, ou assistir palestras de conteúdo relevante, isso mostra que não há qualquer tipo de empenho para mudar a sua situação.

Você não se adequa ao seu novo plano

Por exemplo: ter como meta acordar as 07:00h todos os dias, mas no dia seguinte você continua mantendo o botão de soneca por mais meia hora. Muitas pessoas acabam desistindo de se reajustar a seus novos planos, depois de tentar algumas vezes.

Se você se identifica com algumas dessas questões mencionadas acima, não desanime! O primeiro passo para resolver um problema é saber identificá-lo corretamente e aprender com ele.

Atingir metas nunca é muito fácil, porém se elas se encaixarem àquilo que você realmente busca, tenha certeza de que valerão todo o esforço investido.


Fonte: Lifehack

Texto traduzido e adaptado por Amanda Barbosa