DESCUBRA UMA NOVA FORMA DE VIAJAR O MUNDO ATRAVÉS DO WORK EXCHANGE. ECONOMIZE E AGREGUE EXPERIÊNCIAS RICAS NA SUA BAGAGEM.

A minha experiência com work exchange em Cape Town, África

Eu sempre procuro mostrar para os leitores do Por Uma Vida Mais Rica, diferentes olhares sobre a experiência de viajar através de work exchange, e por isso, abri um espaço aqui no blog para que viajantes que já fizeram work exchange em alguma parte do mundo, compartilhem suas experiências. Agora, a convidada da vez é a Renata Sarzi, do blog A Dream Overland, que conta como foi sua viagem em Cape Town, África.

Texto de Renata Sarzi:

Por que Cape Town – Por que Work Exchange – Como e por qual tipo de trabalho eu busquei

Os motivos pra ter escolhido Cape Town foram simples: a localização geográfica que colabora com o início de um trajeto pela África que eu pretendia fazer e, além disso, a cidade é a cara do ecoturismo que era meu objetivo principal.

E escolhi work exchange como acomodação pela comodidade de ficar estabelecida em um só lugar, ter um período pra me adaptar a estar viajando antes de seguir minha rota. Num Couchsurfing, por exemplo, eu não poderia ficar por um longo tempo. E acomodações pagas não eram viáveis pra mim. Então, Work Exchange!

Busquei em sites de Work Exchange pra ver que tipos de trabalho em troca de hospedagem estavam disponíveis na Cidade do Cabo. Acabei filtrando pelo Workaway.info, onde encontrei os melhores resultados e a interface de busca também me ajudou mais.

work exchange em Cape Town, África

Meu plano era dividir meu tempo entre o trabalho na acomodação e meu próprio trabalho. A princípio, eu queria algo totalmente desconectado de qualquer coisa que eu já tinha feito, mas acabei por encontrar uma vaga perfeita pra mim combinando com o que eu já tinha experiência e com meu trabalho.

Por isso, penso que mesmo que tenha planos ou algumas ideias do que quer, esteja também aberto e seja flexível a mudanças. Isso pode dar margem para as coisas serem ainda melhores do que seu primeiro planejamento ou de como você imaginava que seria.

Meu trabalho

Estava partindo pro mundo pra começar uma trajetória de fotógrafa, blogueira e viajante. Produzindo conteúdo, imagens e vídeos sobre pontos de ecoturismo, fazendo a cobertura e reviews de lugares e passeios. E encontrei a vaga do Hostel Home Base Cape Town que precisava  de alguém com experiência pra fazer exatamente isso: fotos, vídeos, escrever artigos em português e em inglês sobre as atrações da cidade para investirem em seu Instagram, site e blog.

Trato feito! Assim fui parar em Cape Town.

Benefícios

Cada estabelecimento oferece benefícios diferentes ao voluntário de Work Exchange. O Home Base me ofereceu acomodação por aproximadamente 2 meses em quarto compartilhado, janta de 2ª a 6ª feira, lavanderia uma vez por semana, desconto de 50% no bar, um tour com o Baz Bus para Cape Peninsula (Península do Cabo) para cobrir o passeio e acesso à uma academia.

O restante dos lugares que visitei, transporte e alimentação foram por minha conta. Bem como todos os equipamentos fotográficos, netbook, chip e pacote de dados pra internet (wifi nem sempre atende e pra se locomover é útil ter internet no celular).

work exchange em Cape Town, África

Rotina

Muitos WE tem uma rotina com horário fixo de trabalho e as horas de folga permitem passear e conhecer o lugar onde está morando. No meu caso, entretanto, eu criava meus próprios horários. Já que as horas de lazer e as de trabalho eram misturadas.

Basicamente eu saía um ou dois dias pra algum lugar ou trilha, depois passava alguns dias no hostel editando fotos, pesquisando e escrevendo sobre. Então eu intercalava dias de passeio (a parte de fotografar e gravar) com os dias de computador (edição e produção).

Na prática, o tempo é dividido entre trabalho e lazer. Por isso, o tempo necessário morando e trabalhando em um lugar é muito maior do que se estivesse apenas a passeio, é necessário se planejar considerando isso ao visitar um destino.

Além da rotina do trabalho em si tem também a rotina de vida pessoal: fazer compras, descobrir bons lugares pra comer, academia, crédito pra celular, cartão de ônibus, encontrar onde resolve isso e aquilo, pagar contas, providências do próximo trecho da viagem e afins. Afinal estava morando ali, não apenas passeando.

Desafios e Impressões

Basicamente em Cape Town fotografei e criei artigos de cada ponto turístico da cidade. Há quem diga que trabalho assim não é trabalho! E é verdade, é muito prazeroso poder fazer o que gostamos. Mas sim, também é bem trabalhoso. Foi bem corrido, são muitas atrações em uma mesma cidade e tudo isso se mescla com as obrigações pessoais.

A experiência foi maravilhosa, os dois meses que morei ali serão inesquecíveis. Cape Town é só o pezinho de entrada na África, é muito turística e desenvolvida comparando com outros lugares da própria África do Sul e, principalmente, com outros países africanos.

Foi o lugar ideal pra começar a viagem sem um choque de cultura tão grande, me adaptar gradativamente com as mudanças, com estar longe de casa, começar a ver a cara da África mas ainda nem tanto. Cruzei com mais brasileiros naquele hostel do que com pessoas de qualquer outra nacionalidade. Minha família Home Base só me remete saudades e boas lembranças. Formei um laço com aquele pessoal, tenho um apreço enorme. 

work exchange em Cape Town, África

Uma experiência de vida!

Estar longe de casa entretanto, trabalhando em algo diferente, com pessoas novas, num país e ambiente também diferentes exige uma certa carga de disposição e estrutura emocional. Isso traz alguns pontos positivos e negativos.

Pontos Fortes

  • A cidade é linda. Trilhas, montanhas, belezas naturais e paisagens maravilhosas;
  • É bem estruturada, fácil de se locomover, com supermercados e lojas de tudo que precisa;
  • A comida é mesmo deliciosa, faz jus à fama;
  • As coisas no geral custam mais barato que no Brasil, cerca de 30% de acordo com meu consumo pessoal;
  • As compras no supermercado tem um preço acessível e o hostel é bem estruturado pra cozinhar;
  • O hostel é também muito bem localizado, fácil de ir pra qualquer lugar de ônibus, trem, Uber, ônibus turístico e inclusive à pé;
  • A oportunidade de ter conhecido um dos melhores lugares da África do Sul (e da África) sem pagar acomodação nenhuma e ainda com algumas refeições inclusas.

Pontos Fracos

  • Para o tipo de trabalho que eu estava fazendo, trabalhar vivendo num hostel é extremamente difícil. Pode ser mais adequado quando se trabalha na recepção, no bar, ou coisas exclusivas de um hostel. Meu local de trabalho era a mesa de refeição, e eu trabalhava rodeada de pessoas e barulho.

 

  • Posso dizer o mesmo para o descanso. Dormir num quarto compartilhado enquanto estamos viajando não tem problema algum, mas morar por longo prazo num quarto onde as outras pessoas estão de férias se mostra complicado algumas vezes. Entretanto, isso não é tão ruim quanto parece. Essa costuma ser umas das maiores preocupações das pessoas antes de ir, mas a verdade é que, embora o desconforto exista, acabamos nos habituando e vira nosso dia a dia. Exceto em casos  e dias atípicos, não incomoda tanto;

 

  • Outro ponto que pegou pra mim foi lidar com pessoas. Quando se trabalha numa recepção, por exemplo, fica claro que você está trabalhando. Mas não é todo mundo que entende o que você está fazendo ali quando se está sentada na mesa com cara de hóspede. Acabam interrompendo, puxando papo ou mesmo questionando porque passo tanto tempo no computador ao invés de sair como as outras pessoas.

work exchange em Cape Town, África

O fato é que simplesmente encontramos maneiras de lidar com as dificuldades. Eu, por exemplo, usava um bom fone de ouvido e explicava para as pessoas que estava ali a trabalho. Eu adorei essa experiência, gostei muito de ter vivido em Cape Town. Vale a pena!

work exchange em Cape Town, África

Renata Sarzi tem 29 anos, é fotógrafa, blogueira e viajante. Fundadora do ADreamOverland.com, partiu do Brasil para realizar um sonho: viajar o mundo praticando ecoturismo.

Começando pela África, ela está visitando os lugares com a natureza mais exuberante, buscando as melhores trilhas e turismo de aventura, dando dicas em seus canais e promovendo o ecoturismo. Site/Facebook/Instagram pessoal/Instagram blog/Youtube

 

Post Author
Amanda Barbosa

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instagram

Por Uma Vida Mais Rica ☆Se reinventando na maneira de viajar o mundo. Colaboração + tecnologia = experiências ricas (e econômicas)☆by Amanda Barbosa 👻Snapchat: vidamaisrica

Siga-me no Instagram